Conhecimentos 2.º Ciclo

5º ANO  e 6º ANO

a) Conceito e Objetivos da Educação Física

A Educação Física inclui um vasto leque de atividades físicas que, praticadas de forma adequada, contribuem para que se atinja um completo estado de bem-estar físico, mental e social. É uma disciplina que faz parte do currículo escolar e é constituída por uma grande diversidade de atividades físicas e desportivas que podem variar de acordo com o ano de escolaridade, tendo como objetivos:

  • Desenvolver e fortalecer os principais músculos do corpo;
  • Melhorar o funcionamento dos sistemas circulatório e respiratório;
  • Melhorar o funcionamento do sistema nervoso;
  • Promover uma atitude corporal correta, evitando deformações na coluna vertebral;
  • Desenvolver o ritmo, a expressão e o domínio dos movimentos;
  • Proporcionar a aquisição das técnicas mais importantes das diferentes modalidades desportivas do programa de Educação Física;
  • Perspetivar a atividade física como fator de saúde.

b) Modelo de Organização das Aulas

Uma aula de educação Física é composta por três partes: inicial, principal e final.

A Parte inicial da aula corresponde aos primeiros exercícios da aula e visa ativar a circulação, a respiração, a temperatura corporal e criar um clima agradável, solicitando a concentração dos alunos e preparando o organismo para o esforço. É uma fase de ativação geral, também designada por aquecimento. A aula deve começar, por isso, de uma forma moderada e aumentar gradualmente de intensidade, evitando-se, assim, lesões musculares. Neste sentido os exercícios de força e velocidade, como por exemplo, os sprints devem ser evitados logo no início da aula.

A parte principal, ou fundamental,é destinada à aprendizagem e aperfeiçoamento dos diversos conteúdos das matérias que fazem parte do programa da disciplina. Assim, realizam-se exercícios para desenvolver as capacidades motoras e para aperfeiçoar as diferentes modalidades desportivas.

A parte final tem como objetivo garantir o regresso à calma e proceder à recolha do material. O professor poderá ainda avaliar a sessão, efetuando um pequeno balanço da aula e questionar os alunos para verificar se estes aprenderam os assuntos tratados.

c) Espírito Desportivo

O espírito desportivo é um código de atitudes, assumindo-se como um comportamento moral no meio desportivo. Ter Espírito Desportivo é:

(i) Respeitar os regulamentos, nunca procurando cometer deliberadamente uma falta;

(ii) Respeitar os árbitros e os juízes, cuja presença é indispensável na competição. Árbitros e juízes têm um papel difícil e ingrato a desempenhar, devendo merecer o respeito de todos;

(iii) Aceitar todas as decisões do árbitro, sem nunca pôr em causa a sua honestidade;

(iv) Na situação de vencido, reconhecer com dignidade a superioridade do adversário;

(v) Aceitar a vitória com modéstia, sem ridicularizar ou diminuir o adversário;

(vi) Saber reconhecer os bons resultados do adversário;

(vii) Querer competir em igualdade de circunstâncias com o adversário, contando apenas com o seu valor e as suas capacidades para tentar alcançar a vitória.

(viii) Recusar ganhar por meios ilegais ou fraudulentos;

(xi) Conhecer bem todas as regras e aplicá-las com imparcialidade;

(x) Ser digno em todas as circunstâncias, demonstrando controlo sobre si próprio em todos os momentos e recusando utilizar, em qualquer situação, a violência física e verbal.  

d) Segurança nas atividades desportivas

A Segurança de todos os praticantes na realização das atividades físicas é um aspeto fundamental, podendo dividir-se em Segurança Individual e Coletiva.

1. Segurança Individual – o primeiro aspeto a ter em conta é o equipamento. O vestuário deve ser confortável e adequado às características da modalidade, tendo como principal objetivo a prevenção de lesões e o conforto dos praticantes.

Outro aspeto determinante é a não utilização objetos de adorno durante as atividades, tais como relógios, fios, pulseiras, anéis, entre outros, pois são suscetíveis de provocar lesões e ferimentos nos colegas.

2. Segurança Coletiva – englobando também a segurança individual, o principal aspeto a ter em conta tem a ver com o espaço em que a atividade decorre, pois é o principal aspeto que poderá colocar em causa a integridade física e segurança dos praticantes. Assim, no espaço desportivo, deve-se ter em atenção e verificar:

  • Se as balizas estão bem fixas no solo;
  • Se os cestos de Basquetebol se encontram bem firmes e não há risco de queda;
  • Se o pavimento é regular ou possui algumas falhas que possam provocar lesões nos praticantes, provenientes de eventuais quedas;
  • Se as bolas ou outros materiais necessários à atividade se encontram em boas condições de utilização;
  • Se existem objetos no espaço que possam trazer perigo para quem se encontra na atividade.

Um aspeto também importante e que se encontra relacionado com a segurança nas atividades físicas é o clima. Caso as atividades sejam ao ar livre, deve ter-se em atenção a temperatura e o equipamento a utilizar, para evitar doenças (gripes, constipações, etc.), bem como a chuva que, tornando o pavimento escorregadio, pode colocar em causa a segurança dos praticantes, podendo originar quedas e consequentes lesões.

a) Testes de aptidão física

1. Teste do Vai-Vem

O Vai-vem é um teste de patamares de esforço progressivo em que o aluno corre percursos de 20 metros ao som de música.

1.1. Capacidade Motora

A capacidade motora avaliada é a Resistência Aeróbia.

1.2. Descrição do teste

Após marcação dos percursos de 20m e verificação da cadência do CD, os alunos correm pelo corredor estipulado até à linha e, ao sinal sonoro, devem inverter o sentido da corrida e correr até à outra extremidade. Se atingirem a linha antes do sinal sonoro, deverão esperar pelo mesmo para correr em sentido contrário.

Um sinal sonoro indica o final do tempo de cada percurso e um triplo sinal sonoro indica o final de cada patamar de esforço e o anúncio de que é necessário aumentar a velocidade de corrida.

O teste termina quando o aluno não consegue atingir a linha antes do sinal sonoro em dois percursos ou quando não consegue correr mais devido ao cansaço.

1.3. Objetivo do teste

O objetivo do teste é percorrer a máxima distância possível numa direção e na oposta, numa distância de 20 metros, com uma velocidade crescente em períodos consecutivos de um minuto.

2. Corrida de Velocidade

O teste de velocidade consiste numa corrida de 40m com partida de pé.

2.1. Capacidade Motora

A capacidade motora avaliada é a Velocidade.

2.2. Descrição do teste

O aluno realiza com correção técnica uma corrida de curta distância (40m), começando com partida de pé e percorrendo o trajeto sempre na mesma pista.

O tempo é marcado pelo professor – a contagem é iniciada pelo professor assim que o aluno inicia o movimento de corrida, e termina quando o aluno atingir a linha da meta.

2.3. Objetivo do teste

O objetivo do teste é percorrer 40m o mais rápido possível, atingindo ou ultrapassando os níveis de prestação definidos na tabela da escola e/ou FITescola.

3. Senta e Alcança

O teste “senta e alcança”, consiste na execução alternada de alongamento muscular dos membros inferiores.

3.1. Capacidade Motora

A capacidade motora avaliada é a Flexibilidade.

3.2. Descrição do teste

Após colocação de uma fita métrica de 30cm na caixa de madeira, o aluno deve sentar-se no chão, descalço, com uma perna estendida a tocar na caixa e a outra fletida. Depois, com os braços estendidos e as mãos sobrepostas, faz flexão do tronco á frente e tenta chegar o mais longe possível na caixa, mantendo o alongamento máximo durante 2’’. Este movimento deve ser feito com as duas pernas de forma alternada.

3.3. Objetivo do teste

O objetivo do teste é avaliar a flexibilidade dos músculos posteriores da coxa, chegando com as duas mãos o mais longe possível na caixa de forma a alcançar ou ultrapassar a distância definida nas tabelas da escola e/ou FITescola.

4. Força Abdominal

O teste curl-up é realizado tendo em conta a importância da força e resistência abdominal para a promoção de uma postura correta e um alinhamento eficaz da zona lombar da coluna vertebral.

4.1. Capacidade Motora

A capacidade motora avaliada é a Força.

4.2. Descrição do teste

Em grupos de dois, os alunos devem organizar-se de forma a que o executante esteja no colchão em posição de decúbito dorsal, com os joelhos fletidos a aproximadamente 140º, pés apoiados no chão e braços fletidos sobre o peito, e o outro colega segure a cabeça do executante controlando o número de execuções efetuadas e as possíveis incorreções.

O executante deve iniciar o teste com as costas apoiadas no colchão e realizar com correção flexões/extensões do tronco a 45º, acompanhando a cadência estabelecida por um CD.

O teste termina quando o aluno não tem força para fazer mais execuções ou quando faz duas incorreções.

4.3. Objetivo do teste

O objetivo do teste é realizar o maior número possível de flexões/extensões do tronco sem paragens nem incorreções, de acordo com a cadência do CD, de forma a atingir ou ultrapassar os níveis de prestação definidos na tabela da escola e/ou FITescola.

5. Flexões/Extensões de Braços

O teste das extensões de braços é um teste que permite aferir a força resistente dos membros superiores.

5.1. Capacidade Motora

A capacidade motora avaliada é a Força.

5.2. Descrição do teste

O teste começa com o aluno em posição de decúbito ventral no colchão (“barriga para baixo”), com as mãos debaixo dos ombros, o corpo em extensão completa com apoio das pontas dos pés. De seguida, deve elevar-se do colchão com a força dos braços até que os tenha estendidos, mantendo sempre as costas e pernas alinhadas, voltando a fletir os braços até que formem um ângulo de 90º e os braços fiquem paralelos ao solo.

O teste termina quando o aluno não tem força para fazer mais execuções ou quando faz duas incorreções.

5.3. Objetivo do teste

O objetivo do teste é realizar o maior número possível de flexões/extensões dos braços, sem paragens nem incorreções, atingindo ou ultrapassando os níveis de prestação definidos na tabela da escola e/ou FITescola.

Advertisement